Pvhcaos - AO VIVO

segunda-feira, 8 de julho de 2019

Newsrondônia - O graffiti de Gaspar Knnypel

GASPAR KNYPPEL: O PARENTE GRAFITEIRO DE PORTO VELHO E SUA ARTE

Os grafites podem também estar associados a diferentes movimentos e tribos urbanas, como o hip-hop, e a variados graus de transgressão.


O sobrenome é alemão, porém seu dono é um rondoniense de Ji Paraná e criado em Porto Velho nas barrancas do Rio Madeira e por isso como muitos beradeiros agregou o prenome “Parente”, termo utilizado pelos ribeirinhos dos rios das Amazônia. Parente Gaspar hoje atuando como técnico em desenvolvimento de projetos culturais na Gerencia de Cultura da Secel, desde pequeninho desenvolveu a arte de desenhar, “Minha vida era comprando revistas em quadrinhos nas bancas de revista da cidade”. 
Considerados por muitos como o melhor na arte da grafitagem em Porto Velho, recentemente Parente Gaspar foi contratado e grafitou o muro do recém inaugurado Colégio Murilo Braga no bairro Nossa Senhora das Graças, o primeiro colégio público de Rondônia totalmente informatizado. Quem passa pelo lado do Murilo Braga que fica para a rua Brasília pode apreciar a bela obra do Parente Gaspar em grafite.
A partir do movimento contracultural de maio de 1968, quando os muros de Paris foram suporte para inscrições de caráter poético-político, a prática do grafite generalizou-se pelo mundo, em diferentes contextos, tipos e estilos, que vão do simples rabisco ou de tags repetidas ad nauseam, como uma espécie de demarcação de território, até grandes murais executados em espaços especialmente designados para tal, ganhando status de verdadeiras obras de arte. Os grafites podem também estar associados a diferentes movimentos e tribos urbanas, como o hip-hop, e a variados graus de transgressão.
Terça-feira passada encontramos o Gaspar grafitando o muro do Murilo Braga e batemos o papo que segue:
Entrevista
Zk – Você nasceu aonde?
Gaspar – Nasci em Ji Paraná, mas, como minha mãe morreu durante meu parto, minha avó me pegou pra criar e então vim pra cá pra Porto Velho com apenas três meses de idade.
Zk – E quando surge o grafiteiro em você?
Gaspar – Desde pequeno gosto de desenhar e com o contato com as revistas em quadrinhos, comecei a desenvolver o estilo grafiteiro. Minha vida era e é em banca comprando revistas e daí fui aperfeiçoando meus desenhos. O grafite conheci através de uma dessas revistas. Isso foi em 2003.
Zk – Você chegou a ser pichador?
Gaspar – Sim, pegava meu spray e saia pichando prédios abandonados, jamais pichei prédios que estavam servindo a alguma entidade, sempre praticava nos espaços abandonados, acho que por isso nunca tive problemas de retaliação por parte das autoridades quanto à pichação 
Zk – Quem foi sua grande influencia na arte da grafitagem?
Gaspar – Os grafiteiros brasileiros, que se viravam em geral com pouco dinheiro. Como os materiais são caros eles usavam o látex e o rolinho. Atualmente o Cobra me inspira muito, tem os Gêmeos e na Europa tem o Banks.
O Cobra inclusive tem uma equipe de sete a oito grafiteiros que o ajudam a desenvolver as grandes obras os murais que ele pinta pelo mundo.
Zk – Para desenvolver o trabalho, o grafiteiro se baseia em que? Tem um gabarito a ser seguido?
Gaspar – Tem o Black Book o Livro Negro onde o grafiteiro faz o esboço preparativo, agora quando é mural de grande dimensão, por exemplo, o Cobra utiliza aqueles ladrilhos quadradinhos para poder colocar o desenho na metragem que ele pede. Tem grafiteiro que vai forçando, no olhar já faz a medida e tudo. Com a minha experiência, já calculo certinho, risco direto sem medir.
Zk – E esse trabalho que você está desenvolvendo no muro do colégio Murilo Braga?
Gaspar – O secretário Emerson Castro da Seduc me convidou e a secretaria me contratou como artista plástico/grafiteiro para fazer um muro de 18,95 metros de extensão por 3 metros de altura.
Zk – Foi a secretaria quem sugeriu o tema?
Gaspar – Não. O tema eu criei. É um Batelão! A idéia foi mostrar a história Beradeira com o contato com o mundo da informática, tanto, que tem um garotinho em uma determinada área do Batelão operando um computador. Até porque o Murilo Braga é um colégio todo informatizado e o peixe que representa o alimento base do ribeirinho. Só que por causa da cor, utilizei como modelo, um peixe do pantanal mato-grossense o Rubi. Gostei do tema o Peixe na cor vermelha faz o contraste com o fundo que é o Rio Poluído.
Zk – Quais outros locais que a gente pode apreciar a sua obra?
Gaspar – Tem um grafite ao lado do Ginásio Claudio Coutinho no Complexo Deroche Pequeno Franco que é um mural que fiz por conta própria. Existe grafite que já foram apagados pelo tempo, fiz grafite em festivais de música. Faço grafite por encomenda também nas casas das pessoas. Na rua to trabalhando pouco pela falta de tempo, estou muito ocupado agora.
Zk – Fale sobre o movimento grafiteiro em Porto Velho?
Gaspar – Na década de oitenta tinha o Dentinho do Movimento Hip Hop que foi quem me passou as primeiras técnicas. Hoje ele está trabalhando mais com a areografia. Tem o Albinho e outros que não lembro o nome o certo é que a cena é muito fraca aqui em Porto Velho. Eu me considero o mais atuante aqui.
Zk – Os grafiteiros ainda sofrem muita discriminação?
Gaspar – Rapaz, no começo era brabo, agora não! Nosso trabalho está muito mais valorizado, agora as pessoas pagam o valor que a gente cobra, isso é muito bom.
No inicio não existia projeto aprovado pelo governo, agora tem. O Brasil é um precursor, apóia muito a arte da grafitagem. Agora existe em São Paulo o Museu Aberto de Arte Urbana – MAU. Onde mais de 20 grafiteiros fizeram mural patrocinado pela prefeitura de São Paulo, com curadoria de arte.
Zk – Você falou que faz trabalhos em residências de particulares. Quem quiser te contratar faz o que?
Gaspar – Liga pra (69) 9918- 0234 ou pode me achar na Gerencia de Cultura da Secel no CPA e tem o face que é gasparknypper me adiciona fala comigo que ta tranqüilo.
Zk – É muito caro?
Gaspar – A mão de obra artística não tem valor estipulado, então a gente cobra aquilo que é justo. A gente cobra por metragem o desenho que a pessoa quer e calcula o tempo que vai levar e a qualidade do tema. Daí faço a manutenção não é só grafitar. Hoje existem muitos grafiteiros que trabalham com a produção teatral criando ou desenvolvendo cenários para as peças.
Zk – Quer dizer que tem mercado?
Zk – Futuro?
Gaspar – Quero abrir uma loja para ensinar a arte do grafite. Já dei aula, agora quero expandir mais os ensinamentos. Sinto-me muito sozinho no desenvolvimento dessa arte em Porto Velho. Quero mais gente grafitando por aí Parente!
Fonte: Zé Katraca

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Protest is Not Extremism / Protesto não é extremismo



 Dear friends,

 Next week, Netpol is launching a new campaign demanding that the police stop categorising campaigning and protest activities as ‘extremism’. The category “domestic extremist” used by the police to smear campaigners is not defined in law but has nevertheless been applied indiscriminately to participants in a wide range of campaign groups, including those who are actively opposing fracking, fox-hunting, nuclear weapons and the arms trade, as well as and anti-fascists and climate change campaigners.

 This is not a trivial issue: there are real and serious consequences for people categorised people in this way. A ‘domestic extremism’ label may result in intrusive levels of police surveillance and may restrict employment, travel, and other aspects of day-to-day life. It also risks curtailing the right of assembly and expression more widely, by ‘chilling’ participation in public protest and campaigns. Over the next six months, Netpol is campaigning on several fronts, including a call on our elected representatives to act to protect the rights of campaigners and protesters, by stopping the police from categorising us all as domestic extremists on little more than a whim. We need your help to put pressure on political parties and politicians and to gather more evidence of the miscategorisation of completely legitimate campaign activities as "domestic extremism".


From 28th May, take a public stand in support of the campaign on social media, sharing the message that “Protest is Not Extremism”.
Show Your Support

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Mais discos que amigos

Nirvana se manifesta sobre a perda de “Nevermind” em incêndio

Nirvana - NevermindQue dia triste para a música!
Ontem ficamos sabendo, através de uma reportagem do New York Times, que um incêndio que atingiu os estúdios da Universal em 2008 não apenas levou muito material de Cinema como também destruiu diversas masters e até mesmo materiais inéditos de bandas e artistas como Nirvana, Soundgarden e Iggy Pop.
A lista divulgada pelo jornal com os nomes que teriam sido afetados pelo incêndio é imensa, como você pode ver logo abaixo, e aos poucos os músicos vão se manifestando a respeito, sendo que vários deles disseram que não sabiam do ocorrido e só tomaram conhecimento após a matéria de ontem.
É o caso do Hole, de Courtney Love, que disse à Pitchfork que não sabia da perda, e também do R.E.M., que informou aos fãs que estava procurando por informações para saber como a banda havia sido afetada de fato.

Nirvana

Um dos maiores nomes envolvidos no incêndio, o Nirvana também se manifestou através do baixista Krist Novoselic.
Em sua conta no Twitter, ele respondeu a um fã que perguntou se o incêndio significava que as fitas master do clássico Nevermind haviam sido destruídas, dizendo:
Eu acho que elas se foram para sempre.

Lista de Artistas Impactados Pelo Incêndio

  • Benny Goodman
  • Cab Calloway
  • the Andrews Sisters
  • the Ink Spots
  • the Mills Brothers
  • Lionel Hampton
  • Ray Charles
  • Sister Rosetta Tharpe
  • Clara Ward
  • Sammy Davis Jr.
  • Les Paul
  • Fats Domino
  • Big Mama Thornton
  • Burl Ives
  • the Weavers
  • Kitty Wells
  • Ernest Tubb
  • Lefty Frizzell
  • Loretta Lynn
  • George Jones
  • Merle Haggard
  • Bobby (Blue) Bland
  • B.B. King
  • Ike Turner
  • the Four Tops
  • Quincy Jones
  • Burt Bacharach
  • Joan Baez
  • Neil Diamond
  • Sonny and Cher
  • the Mamas and the Papas
  • Joni Mitchell
  • Captain Beefheart
  • Cat Stevens
  • the Carpenters
  • Gladys Knight and the Pips
  • Al Green
  • the Flying Burrito Brothers
  • Elton John
  • Lynyrd Skynyrd
  • Eric Clapton
  • Jimmy Buffett
  • the Eagles
  • Don Henley
  • Aerosmith
  • Steely Dan
  • Iggy Pop
  • Rufus and Chaka Khan
  • Barry White
  • Patti LaBelle
  • Yoko Ono
  • Tom Petty and the Heartbreakers
  • the Police
  • Sting
  • George Strait
  • Steve Earle
  • R.E.M.
  • Janet Jackson
  • Eric B. and Rakim
  • New Edition
  • Bobby Brown
  • Guns N’ Roses
  • Queen Latifah
  • Mary J. Blige
  • Sonic Youth
  • No Doubt
  • Nine Inch Nails
  • Snoop Dogg
  • Nirvana
  • Soundgarden
  • Hole
  • Beck
  • Sheryl Crow
  • Tupac Shakur
  • Eminem
  • 50 Cent
  • the Roots

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Blog da Kika - Os melhores shows da minha vida

Os melhores shows da minha vida: para rememorar e rejuvenescer

por Cristina Moreno de Castro
No último domingo, fui com meu marido e meu pimpolho ver um show que, teoricamente, era voltado para as crianças, mas que, na prática, era um showzaço com repertório que foi de Paul McCartney a Raimundos, de Titãs a Genival Lacerda. Estou falando do "Música de Brinquedo 2", da lavra do Pato Fu, com direito a bonecos do Giramundo. Compramos ingressos promocionais do Sesc, num teatro absolutamente lotado (mesmo com divulgação quase nula do evento) e ainda descobrimos que o DVD estava sendo gravado naquele show.
O Luiz já tinha visto Pepeu Gomes na Praça JK e já tinha ido ao Street Blues Festival na Praça da Liberdade, por exemplo. Mas este foi o primeiro show com ingresso pago ao qual levamos ele. Pode-se dizer que foi um dia histórico!
Isso me fez lembrar de tantos outros shows aos quais já fui na vida, e em como é bom ir a shows, de todos os gêneros, e sentir aquela adrenalina boa de entoar canções junto a milhares de pessoas, ou ver seus heróis da guitarra destruindo num palco a poucos metros de você. Torço para ter a oportunidade de ainda levar o Luiz a muitos outros shows, inclusive quando ele já for adulto e eu já estiver velhinha, sem pique de ficar de pé, dançando, durante todo o tempo 😉
Desandei a relembrar os shows da minha vida e resolvi listá-los todos neste post, para deixar um registro deles. Aí vão, em ordem cronológica, desde a foto mais antiga que consegui recuperar, de 2003. Clique sobre qualquer uma para ver todas em tamanho real, com as legendas:
Banda: Paralamas do Sucesso
Local: Arena Telemig Celular, Belo Horizonte
Data: maio de 2003. Se não me engano, foi a primeira turnê do Herbert Vianna depois do acidente.
Ingresso: Cortesia

Eu nem conhecia essa banda, mas lá fui eu, com meu primeiro “salário” de professora particular.
Banda: Silverchair
Local: no Mineirinho, em Beagá.
Data: Maio de 2003.
Ingresso: R$ 30

Deep Purple, a que assisti duas vezes. Nesta foto, turnê de “Bananas” em setembro de 2003, no Mineirinho, Belo Horizonte. (Cortesia, ganhei de promoção)

Sgt. Pepper’s em seus tempos áureos, quando apresentava o especial de Natal no Palácio das Artes. Dezembro de 2003. (R$ 15)

Excelente festival de blues em Beagá, com Blue Jeans, as maravilhosas Chicago Blues Ladies e o Rod Piazza. Chevrolet Hall, Belo Horizonte, maio de 2005. (R$ 24)

Calix abrindo pra ótima banda de rock progressivo holandesa Focus, dos anos 70. Chevrolet Hall, Belo Horizonte, maio de 2005. (R$ 20)

Só telão mesmo pra nos salvar. E o binóculo emprestado. Show dos Stones, na praia de Copacabana, Rio, fevereiro de 2006. (Grátis!)

Egberto Gismont. Palácio das Artes, Beagá, abril de 2006. (R$ 20)

Showzaço do Creedence! O vocalista gordão tinha a voz melhor que a do Fogerty! Chevrolet Hall, Beagá, maio de 2006. (R$ 50 a meia)

O clássico Pop Rock. Neste eu vi O Rappa, Tianastácia e outras coisas. Mas no mesmo festival eu já vi Cássia Eller, Skank, Engenheiros do Hawaii, Barão Vermelho, Pato Fu e o tenebroso Jota Quest. Mineirão, Beagá, novembro de 2006. (Cortesia, acho)

Meu segundo show do Deep Purple, turnê de “Rapture of the Deep”, em dezembro de 2006, no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte. (R$ 45)

Segundo ou terceiro show que vi do grande Jorge Ben Jor no Chevrolet Hall, em Belo Horizonte, março de 2007. (R$ 30)

O primeiro show que vi do Mutantes, ainda com o Arnaldo Baptista. Primeira turnê que eles fizeram depois do retorno. Chrevrolet Hall, Beagá, abril de 2007. (R$ 35)

Jethro Tull – Chevrolet Hall, Belo Horizonte, abril de 2007. (R$ 35) (https://kikacastro.wordpress.com/2011/01/22/presente-de-amigo-light-music/)

Segunda vez que vi Mutantes, ainda com Arnaldo Baptista e Zélia Duncan e o maravilhoso mago da guitarra, Sérgio Dias. Chevrolet Hall, Belo Horizonte, julho de 2007. (Grátis!)

Bons tempos da falecida Free as a Beatle, no falecido Mezanino da Travessa, em várias quintas de 2007. (https://kikacastro.wordpress.com/2011/10/30/os-rituais/)

Lô Borges tocando na Serra do Cipó, Minas, em janeiro de 2008 (um dia traumatizante: http://kikacastro.wordpress.com/2010/12/26/chuva-e-cachoeira-nem-na-serra-do-cipo/). Foi uns R$ 50!!

Terceira vez que vi Mutantes, já com outra vocalista. Virada Cultural, av. São João, São Paulo, abril de 2008. (Grátis!)

Aquele fantasma branco é a Gal Costa. Virada Cultural de abril de 2008. No mesmo festival, ouvi bandas não fotografadas como Novos Baianos, Big Brother & The Holding Co. (banda de Janis Joplin), John Lord, Zeca Baleiro, Buena Vista Social Club, Grand Mothers, Booker T. etc. (Grátis!) (https://kikacastro.wordpress.com/2012/05/05/o-melhor-da-virada-cultural/)

Essa aí foi depois do show, quando pedi um autógrafo para o grande John Mayall, mentor de Clapton. Via Funchal, São Paulo, maio de 2008. (R$ 30)

Herbie Hancock no Telefônica Jazz Festival. Parque Villa Lobos, São Paulo, junho de 2008. (Grátis!). Acho que vi este sozinha.

Depois do show, quando pedi autógrafo para os grandes J.J. Milteau (gaita) e Manu Galvin (guitarra). Sesi, São Paulo, julho de 2008. (R$ 10)

Rita Lee, a rainha do rock’n’roll brasileiro – Minas Náutico, Alphaville Lagoa dos Ingleses, Nova Lima, outubro de 2008. (Grátis)

Sonny Rollins! Tim Festival, Parque Ibirapuera, São Paulo, outubro de 2008. (Grátis!) Acho que vi este sozinha.

Freddy cantando ali e Brian May tocando de cá. E era Bohemian Rhapsody. Nem preciso falar que chorei, né? Via Funchal, São Paulo, novembro de 2008. (R$ 135). Sozinha.

Igor Prado, Flávio Guimarães e Gary Smith, no 8º Encontro Internacional de Harmônica, um dos melhores festivais de música de São Paulo. Sesc Pompéia, São Paulo, março de 2009. (R$ 4)

Outro deus negro da guitarra, Buddy Guy, aqui acompanhado de Diane Reeves. Telefônica Jazz Festival, Parque Villa Lobos, São Paulo, novembro de 2009. (Grátis!)

O deus negro em pessoa: B.B. King! Via Funchal, São Paulo, março de 2010. (Cortesia: ganhei numa promoção)

Mal dá pra enxergar, mas são Elomar, Xangai, Vital Farias e Geraldo Azevedo fazendo o show de “Cantoria”, na Virada Cultural, Estação Júlio Prestes, São Paulo, maio de 2010. (Grátis!)

Uma das várias bandas que vi no festival de Jazz de Paraty, Rio, em julho de 2010. (Grátis!). Sozinha.

A Day in the Life… Thank god havia um telão! Sir Paul no Estádio do Morumbi, São Paulo, novembro de 2010. (R$ 300)

Jam com vários feras da gaita (Gonzalo Araya, Joe Filisko, Andy Just, Flávio Guimarães e Thiago Cerveira), no final do 10º Encontro Internacional de Harmônica no Sesc Pompeia, São Paulo, março de 2011. (http://kikacastro.wordpress.com/2011/03/20/o-10º-festival-de-gaita/) (R$ 4)

Mud Morganfield, filho de Muddy Waters! Primeiro festival da Galeria do Rock, São Paulo, abril de 2011. (http://kikacastro.wordpress.com/2011/04/26/o-primeiro-festival-da-galeria-do-rock/) (Grátis! Ganhei convite)

Não dava para ver nada, mas a guitarra do deus branco Eric Clapton lá estava, inconfundível. Estádio do Morumbi, São Paulo, outubro de 2011. (http://kikacastro.wordpress.com/2011/10/13/o-show-do-eric-clapton-na-minha-cabeca-e-na-vida-real/ e http://kikacastro.wordpress.com/2011/10/15/videos-do-show-do-eric-clapton-em-sao-paulo/) (R$ 140)

O sensacional Lou Donaldson, saxofonista de 86 anos, na Virada Cultural 2012. Praça da República, São Paulo, maio de 2012. (Grátis!) (https://kikacastro.wordpress.com/2012/05/08/virada-sem-muvuca/)

Grande Maceo Parker, que tocou com Fred Wesley e Pee Wee Ellis no BMW Jazz Festival. Via Funchal, São Paulo, junho de 2012. (R$ 30) (http://kikacastro.wordpress.com/2012/06/06/um-festival-para-quem-curte-jazz/). Vi este sozinha.

Show do Paul McCartney, abertura da turnê mundial Out There, em BH, com Beto Trajano, no Mineirão. 4/5/2013, R$ 185. Mais detalhes: http://kikacastro.wordpress.com/2013/05/05/o-show-de-paul-mccartney-em-beaga-resenha-fotos-e-video/

Paulinho da Viola! No Natural Musical, em BH! Com Beto Trajano, Viviane Moreno e Affonsinho Heliodoro! Em 4/8/2013, grátis. Mais detalhes: http://kikacastro.wordpress.com/2013/08/05/paulinho-da-viola-e-caetano-veloso-shows-inesqueciveis/

A Velha Guarda da Portela! No Natural Musical, em BH! Com Beto Trajano, Viviane Moreno e Affonsinho Heliodoro! Em 4/8/2013, grátis. Mais detalhes: http://kikacastro.wordpress.com/2013/08/05/paulinho-da-viola-e-caetano-veloso-shows-inesqueciveis/

Gênio Caetano Veloso! No Natural Musical, em BH! Com Beto Trajano, Viviane Moreno e Affonsinho Heliodoro ! Em 4/8/2013, grátis. Mais detalhes: http://kikacastro.wordpress.com/2013/08/05/paulinho-da-viola-e-caetano-veloso-shows-inesqueciveis/

Ainda o Caetano :) Mais detalhes: http://kikacastro.wordpress.com/2013/08/05/paulinho-da-viola-e-caetano-veloso-shows-inesqueciveis/

Luiz Melodia! No Sesc Palladium, BH, com Beto Trajano, em 1.11.2014! De graça (mas o convite era de R$ 60 a R$ 80). Mais informações: http://kikacastro.com.br/2014/11/03/melodia-eternamente-jovem/

Jam de guitarras de blues entre Affonsinho Heliodoro, Auder Junior (esq.) e Gustavo Andrade (dir), no show de lançamento do CD “Lá de Um Lugar”, de Affonsinho. Showzaço no Teatro Bradesco, em BH, no dia 9.5.2015. Ingressos a R$ 30. Com Beto Trajano e Viviane Moreno.

Não dá pra enxergar nada, mas aí estão a sensacional Madeleine Peyroux (voz, violão e ukulele), acompanhada de Jon Herington na guitarra e Barak Mori no contrabaixo. No Palácio das Artes, em BH, com Beto Trajano, em 17.5.2015. Preço do ingresso: R$ 50. Um show que me deixou flutuando…! :)

Virada Cultural 2015 – show com vários artistas mineiros em homenagem a Fernando Brant, na praça da Estação. Em 12.9.2015. Com Beto Trajano, Viviane Moreno e Affonsinho Heliodoro. De graça. Mais: http://kikacastro.com.br/2015/09/14/cena-da-virada-cultural-em-belo-horizonte/

BH Jazz & Blues edição de Primavera, na praça da Savassi, em 19.9.2015. Affonsinho Heliodoro tocando blues com Frederico Heliodoro. Com Beto Trajano e Urian Vieira. De graça. Mais: http://kikacastro.com.br/2015/09/15/novo-cd-de-blues-para-download-gratuito/

BH Jazz & Blues edição de Primavera, na praça da Savassi, em 19.9.2015. Kenny Brown tocando blues. De graça. Com Beto Trajano, Urian Vieira, Ludmila Pizarro Alves Silva e Leonardo Kenji Shikida. Mais: http://kikacastro.com.br/2015/09/15/novo-cd-de-blues-para-download-gratuito/

Reencontro histórico dos Novos Baianos! Com Beto Trajano.No BH Hall, em 10.9.2016. Ingresso: R$ 40 (km de vantagem)Mais: https://kikacastro.com.br/2016/09/13/show-novos-baianos-bh-fotos-videos/

Showzaço da Marisa Monte e Paulinho da Viola no Chevrolet Hall, em 20.5.2017. Cortesia.

Terceiro show que vi do Paul McCartney, de novo em BH, no Mineirão, em 17.10.2017. Ganhei ingresso em promoção.

Terceiro show que vi do Paul McCartney, de novo em BH, no Mineirão, em 17.10.2017. Ganhei ingresso em promoção.

Segundo show que vi dos Novos Baianos, em 11.8.2018, no KM de Vantagens Hall. Não lembro quanto custou, mas ficou barato por causa de promoção.

Show Música de Brinquedo 2, com Pato Fu e bonecos do Giramundo, na gravação do DVD no Sesc Palladium, em 31.3.2018. Ingresso a R$ 35.


Posso ter me esquecido de alguns, mas aí estão os principais: Paul McCartney (três vezes), Eric Clapton, Rolling Stones, Deep Purple (duas vezes), B.B. King, Queen, Buddy Guy, Creedence, Jethro Tull, Mud Morganfield, John Mayall, Focus, Herbie Hancock, Milteau, Sonny Rollins, Maceo Parker, Madeleine Peyroux, Novos Baianos (duas vezes), Mutantes (três vezes), Paralamas do Sucesso, Titãs, Rita Lee, Jorge BenJor, Caetano Veloso, Marisa Monte, Paulinho da Viola (duas vezes), Luiz Melodia, dentre outros.
Vou atualizar este post à medida que for a novos shows. Que venham muitos!