Pvhcaos - AO VIVO

Mostrando postagens com marcador pvhc.a.o.s.. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pvhc.a.o.s.. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 7 de maio de 2013

Cypherpunks

Esse Assange é foda.


Fonte:

samspratt_julianassange_painting

Anarquia e criptografia: Julian Assange resgata movimento dos anos 80 em seu livro “Cypherpunks”

 
 
 
 
O dia era 18 de abril de 2012. Julian Assange, editor do controverso WikiLeaks, dava um novo passo em sua carreira de ativista: inaugurava um programa de TV chamado The World Tomorrow.
Parecia um movimento ambicioso. Afinal, ele sequer podia deixar a casa na qual está exilado. E, desde 2010, tinha que lidar com um bloqueio financeiro que dificultava o funcionamento do WikiLeaks. Visto com desconfiança tanto pela mídia quanto por outros ativistas, que chances Assange teria de ser levado a sério ao se unir com uma rede de comunicação russa para produzir um talk show?
Realmente, The World Tomorrow não foi um dos seus projetos mais impactantes. Durou apenas 12 episódios, todos disponíveis no YouTube. Cada um tinha cerca de 30 minutos, nos quais eram entrevistadas figuras como o antropólogo David Graeber (Ocuppy Wall Street), o escritor Noam Chomsky e até o “crítico cultural” pop Slavoj Žižek.
Obviamente, as conversas sempre giravam em torno das complexas conexões entre política, tecnologia e privacidade. Segundo as contas fornecidas pelo YouTube, os vídeos mais assistidos foram vistos cerca de 40 mil vezes. E a repercussão de mídia do programa foi morna. É que Assange deixara de ser novidade: era agora um representante de um nicho, não mais exatamente uma ameaça política.

O nascimento de um livro

Mas dois episódios do talk show chamaram atenção (confira abaixo). Assange juntou, numa mesma sala, três personalidades envolvidas com a atual encarnação de um movimento que começou nos anos 80, o Cypherpunk. O debate entre Andy Muller Maguhn (Chaos Computer Club), Jérémie Zimmerman (La Quadrature du Net) e Jacob Appelbaum (Tor Project) acabou virando um livro, que saiu no Brasil, pela Boitempo, Cypherpunks — Liberdade e Futuro da Internet.
Nele, Assange é taxativo: a internet se tornou uma ameaça à civilização humana. Consciente e inconscientemente, disponibilizamos on-line informações que podem ser utilizadas para criar estruturas de poder político jamais imaginadas, com níveis de controle social que fariam Big Brother parecer um amador.


Universo criptográfico

A única saída possível para essa situação seria a utilização da criptografia, uma tecnologia inicialmente utilizada por militares para evitar o vazamento de informações confidenciais, hoje disponível para qualquer computador (até mesmo em simples extensões para navegadores). Na introdução do livro, o tom proselitista de Assange beira o new age:
O universo acredita na encriptação.
É mais fácil encriptar informação do que decriptá-la. (…)
O universo, nosso universo físico, tem a propriedade que torna possível, para um indivíduo ou grupo de indivíduos, confiavelmente, automaticamente, mesmo sem se dar conta disso, cifrar uma determinada coisa, de modo que todos os recursos e todo esforço político dos maiores superpoderes na Terra talvez não conseguissem decifrá-la. E os caminhos dessa encriptação de mensagens entre as pessoas podem se entrelaçar para criar regiões livres de forças coercitivas. Livres da intervenção de massa. Livre do controle do Estado.
(…) Encriptação é uma corporificação das leis da física e não presta atenção na gritaria dos Estados, nem nas distopias transnacionais das políticas de segurança.
Não é óbvio que o mundo tivesse que funcionar desse jeito. Mas, de alguma forma, o universo sorri em criptografia.
Mas o resto do texto é uma discussão mais elaborada e prática sobre a necessidade da criptografia como arma política. Essa técnica seria um dos últimos recursos disponíveis de resistência não-violenta ao poder do Estado e das corporações.
Em especial, levando em conta que a internet funciona por meio de recursos físicos extremamente controlados, como satélites, cabos submarinos, além de servidores instalados em diversos países, com diferentes estruturas legislativas. Estruturas que possibilitam ações jurídicas tão polêmicas quanto querer colocar pessoas na cadeia por deixar de obedecer os termos de serviço ou impedir um advogado de acessar redes sociais porque ele criticou um promotor.

Os novos Cypherpunks

A parte mais interessante de Cypherpunks são os capítulos em que Assange e convidados analisam como o cenário político e tecnológico mudou desde os primórdios do movimento. Em 30 anos, o problema da circulação de informações e da privacidade é completamente outro: os primeiros cypherpunks, Eric Hughes, John Gilmore e Tim May (do The Crypto Anarchist Manifesto) eram geeks que viam outros geeks se comunicando via Usenet. Assange vive num momento em que até carros trazem computadores embutidos e conectados à internet:
As comunicações, no próprio núcleo das nossas vidas privadas, movem-se cada vez mais pela internet. Assim, de fato, nossas vidas privadas entraram numa zona militarizada. É como ter um soldado debaixo da cama. É a militarização da vida civil.

Cauda longa — de massas

Mas como é possível controlar militarmente a internet? Não é exatamente essa tecnologia que vem nos ajudando a enfraquecer a comunicação de massas? Não é tão simples. On-line, a cauda não é tão longa assim.
Embora cada vez mais pessoas produzam conteúdo e sobre assuntos cada vez mais diversos, ainda recorremos a ferramentas de massa, como Facebook, Google, Twitter e até mesmo o WordPress (que, até o fim de 2012, gerenciava cerca de 73 milhões de sites no mundo, 14,7% de todos os sites publicados na internet).
Mesmo tecnologias open-source amplamente disseminadas, como servidores Linux / banco de dados Apache e PHP, acabam, de certa forma, massificando a internet. Assim, o custo de construir sistemas privados ou governamentais de coleta, análise e manipulação de dados diminui consideravelmente.
E é claro que a infraestrutura de comunicação ainda depende de corporações completamente atreladas aos governos, como as operadoras de celular. Finalmente, ainda existem certos assuntos que sempre são facilmente invocados na hora de aprovar leis duvidosas. É o que Jacob Appelbaum chama de…
…Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse da Informação: pornografia infantil, terrorismo, lavagem de dinheiro e a Guerra Contra Algumas Drogas.

Conversa incompleta

capa-cypherpunks
Por esses e por centenas de outros motivos, Cypherpunks é um livro ambíguo. É acessível e instigante porque não é restrito apenas para geeks, administradores de sistemas ou cientistas sociais.
Porém, essa mesma escolha estilística tem seu lado negativo: como é praticamente uma transcrição dos diálogos mantidos durante o programa The World Tomorrow, não traz maiores desenvolvimentos ou apresentação sistemática de dados. Quer dizer, é como se cada parágrafo merecesse um livro a parte.
Cypherpunks é uma conversa aberta e incompleta. Portanto, uma ótima introdução ao complexo problema da comunicação on-line hoje em dia. A maior ferramenta de liberdade criada nos últimos tempos também pode ser a maior ameaça política que já enfrentamos.

Julian Assange, Andy Muller Maguhn, Jeremie Zimmerman e Jacob Appelbaum.
Editora Boitempo
168 páginas R$ 29,00 (impresso), R$ 15 (eBook, em vários formatos)

samspratt_julianassange_painting

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

BBC NEWS

Iniciativa muito legal da Embaixada.

Arigatô Gozay omasta!


            

            

            

            

            

            

       

            

        





A fachada da embaixada do Brasil em Tóquio, no requintado bairro de Aoyama, ganhou cores e desenhos que chamam a atenção de quem passa por lá.
Trabalho de Titi Freak e Presto foi transmitido ao vivo pela internet
Durante cinco dias, os grafiteiros Hamilton Yokota, mais conhecido como Titi Freak, e Marcio Penha, o Presto, transformaram o espaço numa verdadeira obra de arte a céu aberto.
Todo o processo pode ser acompanhado ao vivo pela internet. Uma equipe de vídeo ficou de plantão e registrou com duas câmeras toda a transformação do muro.
Chamado de "Live Graffiti @ Brazilian Embassy", o projeto fez parte da Tokyo Designers Week, uma semana repleta de atividades na capital japonesa ligadas à arte em geral.
"Para esse trabalho, exploramos bastante os elementos regionais e folclóricos da nossa cultura brasileira", contou Presto à BBC Brasil.
A obra dos brasileiros na embaixada brasileira poderá ser vista até meados de janeiro de 2013.
"Foi uma iniciativa de muita coragem por parte da embaixada, porque por mais que o grafite já esteja incorporado à cultura brasileira e já faça parte da nossa paisagem urbana, aqui ainda é algo muito desconhecido", diz Presto.
"Acho muito corajoso trazer essa técnica para o público japonês, que não está muito acostumado e poderia até ficar chocado com nossa ação. Mas está sendo muito bem recebida e estou muito orgulhoso de participar disso."
Titi concorda com o companheiro de trabalho. "Durante esses dias, as pessoas começaram a perceber esse mural e a ter uma participação com a gente. Pelo que vimos, as pessoas estão felizes com o painel, pois aqui não tem muito esse tipo de intervenção artística."
Grafite na embaixada tem elementos da cultura e do folclore do Brasil
A japonesa Tamiko Kanaya foi uma das que registrou todo o processo. "Trabalho aqui perto e vim todos os dias para ver a evolução do mural", contou. "Estou surpresa com essa arte, tão rica em detalhes. É uma verdadeira interação com a cidade, com o concreto e com os moradores", emendou.

Experiência

Os dois artistas são mestres em intervenções urbanas. Presto já fez várias exposições e deixou sua marca em diversos projetos pelo Brasil.
Para Tóquio, ele também levou uma exposição de fotos, quadros, adesivos e desenhos, que fica exposta até dia 14 de novembro na própria embaixada brasileira.
Já Titi, que mora há um ano em Osaka, realizou um projeto artístico recentemente em parceria com a Fundação Japão e apoio da Embaixada do Brasil em Tóquio, nos alojamentos temporários para vítimas do tsunami na cidade de Ishinomaki.
Além de São Paulo, as obras do artista já foram exibidas em galerias de Londres, Madri, Paris, Newcastle, Tóquio, Osaka, Nova York, Los Angeles, Vancouver e Berlim.



PvhCAOS - metendo tinta.....

sábado, 6 de outubro de 2012

Brasil

Mano Brown faz discurso contra Serra em show

Mano Brown criticou políticos durante show na capital. (Foto: AE)
O rapper Mano Brown, vocalista do grupo Racionais Mc’s, pediu, durante um show na capital paulista, para as pessoas não votarem no candidato José Serra (PSDB) nas eleições municipais. Brown, morador do Capão Redondo, na zona sul, fez um discurso em desagravo a Serra, ao prefeito Gilberto Kassab (PSD) e ao governador Gerlado Alckmin (PSDB).

Brown falou sobre distribuição de terra, sobre moradia popular e sobre as desapropriaçôes efetuadas pelos governos municipal e estadual em São Paulo nos últimos tempos.

 “Ouvi falar que serão 12 mil desapropriações até o final do mandato. Sem lugar para essas pessoas morarem, que não é um plano desse governo e dessa prefeitura que está ai. O ser humano para eles é um mero detalhe, o importante são as máquinas, computadores, ruas. Porque não é o povo deles que está aqui, que vai ser despejado e morar na rua”, disse Brow.

“O bisavô e tataravô deles foram os mesmos que escravizaram os nossos bizavôes e tataravôs. Isso é uma coisa que vem perpetuando. Já ouviu falar de cadeia pérpetua, que não acaba nunca? É isso.”


PvhC.A.O.S. - Contra todos e contra ninguém....... 

sexta-feira, 13 de abril de 2012

É cada uma......

Fonte: BBC

Fotógrafo americano faz autorretratos vestido de 'bailarina'

Bob Carey percorre o país e se fotografa usando apenas um tutu, para publicar um livro cuja renda será doada para instituições contra o câncer de mama.

 

Durante nove anos, o fotógrafo americano Bob Carey viajou pelo país fazendo autorretratos. Em todas as fotos, ele vestiu apenas um tutu rosa, saia usada normalmente por bailarinas.
Carey teve a ideia depois de um trabalho fotográfico realizado para um grupo de balé dos Estados Unidos.

Contudo, o propósito das imagens mudou quando sua mulher, Linda, foi diagnosticada com câncer de mama.


'O câncer nos ensinou que a vida é boa. Lidar com a doença é difícil e, às vezes, a melhor coisa que podemos fazer é encarar um dia após o outro, rir de nós mesmos e dividir nosso sorriso com os outros', diz o fotógrafo no site do 'Projeto Tutu'.
Agora, ele quer publicar um livro com as fotos e as histórias por trás da empreitada. O dinheiro arrecadado com as vendas ajudará instituições que dão apoio a vítimas do câncer de mama.


 Veja mais fotos aqui chefia





PvhCAOS - na luta contra o câncer

quinta-feira, 1 de março de 2012

Eu quero ...SEXOOOO...

Pense mais em sexo!

Momento curiosidade aqui no Preliminares. Uma pesquisa da Universidade de Amsterdã descobriu que quando pensamos em sexo nosso raciocínio fica melhor. Isso mesmo, quanto mais você pensa na sua diversão, melhor entende o resto das coisas.
 
O teste foi assim: um grupo de pessoas foi dividido pela metade, uma parte deveria pensar em sexo, a outra não. Depois disso os pesquisadores distribuíram problemas matemáticos pra que fossem resolvidos. A galera que estava pensando em sexo há alguns minutos foi muito melhor.

A explicação é que pensar na nossa diversão preferida - o sexo - ativa algumas áreas do cérebro ligadas a lógica e raciocínio, nos deixa mais detalhistas e então quanto mais pensamos naquilo, mais inteligentes ficamos.

 Você tem alguma dúvida sobre sexo? Manda pra mim no preliminarescomcarol@yahoo.com.br e siga-me no Twitter (@carolpatrocinio).
 

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Tecnologia

Fonte: Folha (SP)

BB é o 3º banco a ser alvo de hackers; site saiu do ar

 

Vejam só como é que é, um grupo formado por pessoas de 25 a 35 anos, envolvidas diretamente com tecnologia, que se intitulam Anonymous, detonou 3 dos maiores bancos no Brasil, Viva a iniciativa HAcker!

 

 O site ficou fora do ar por volta das 11h. A Folha realizou diversas tentativas de acesso no horário, mas a página não carregou. O banco afirma, em nota, ter registrado picos no volume de acessos ao site, o que, segundo o BB, causou lentidão no sistema em algumas regiões do país.

A instituição diz, no entanto, que a página permaneceu disponível durante todo o período e que não houve comprometimento na segurança dos dados de clientes.
A indisponibilidade da página do Banco do Brasil nesta quarta-feira segue uma série de problemas enfrentados por sites de bancos nesta semana. O Anonymous afirma ter causado as falhas técnicas em todos os casos.
Ontem, o site do Bradesco ficou instável durante um período da manhã e na segunda-feira a página do Itaú chegou a ficar indisponível por alguns minutos.
A assessoria de imprensa do Itaú confirmou que houve indisponibilidade, mas não informou os motivos do problema. Já o Bradesco informou que o site recebeu um volume de acessos superior a média e que chegou apresentar intermitência, mas que não chegou a ficar fora do ar.
O grupo Anonymous diz, por meio de suas contas no Twitter, que a ação é um protesto contra a corrupção e será feita ao longo da semana com o intuito de deixar a cada dia um serviço de internet banking fora do ar por pelo menos 12 horas.
Os hackers têm utilizado de uma técnica de ataques de negação distribuída de serviço, o DDOS (um acrônimo em inglês para Distributed Denial of Service), que consiste em bombardear um servidor com pedidos de acesso para um site até que ele atinja o limite de sua capacidade e fique indisponível.
Segundo especialistas em segurança da informação ouvidos pela Folha, este tipo de ataque não oferece grandes riscos a segurança de dados armazenados, mas deve ser acompanhado com atenção para evitar que este ataque seja um disfarce para que os hackers tentem outras formas de ataques e invasões ao servidor alvo.

Reprodução Banco do Brasil
Reprodução do site do Banco do Brasil
Reprodução do site do Banco do Brasil
Veja reprodução das mensagens na conta do grupo hacker:

Reprodução/Twitter/AnonBRNews
Reprodução do Twitter Anonymous Brasil
Reprodução do Twitter Anonymous Brasil

 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Crueldade animal pela moda

É tema de manifestação durante SPFW, que começa nesta quinta.

 

Diversos casos de crueldade com animais têm repercutido na imprensa e nas redes sociais nos últimos meses – um filhote de cachorro enterrado vivo, um yorkshire espancado até a morte, dezenas cães e gatos mortos e ensacados –, e o assunto voltará à tona durante o São Paulo Fashion Week, principal evento de moda do país, que começa nesta quinta-feira (19) na capital paulista.

Coelhos e raposas produzidos com isopor reciclável farão parte de uma intervenção comandada por artistas plásticos na entrada do evento, no prédio da Bienal, durante o fim de semana, com o objetivo de conscientizar o público contra o uso de peles, couro e penas em desfiles e editoriais de moda. “Não tem nenhuma diferença [a crueldade com animais domésticos daquela para a extração do couro]”, disse em entrevista ao UOL Adriana Pierin, ativista do Move Institute, responsável pela ação durante o São Paulo Fashion Week há quatro temporadas. “As pessoas muitas vezes não sabem que suas carteiras, bolsas e pulseiras são feitas de couro. Fotógrafos, editores de moda e maquiadores acabam sendo cúmplices desta alienação e da divulgação de peças que utilizam produto animal”, completou.


 

 

 

 

 

 

O fato de as passarelas desta edição mostrarem as coleções para o próximo inverno dá mais pano para a manga da discussão por uma moda ética, já que o Brasil tem um importante fator a seu favor: o clima. “É um país tropical. Não temos a necessidade de usar roupas de origem animal. O uso de pele nem deveria ser um assunto sobre o qual temos de pensar”, disse a consultora de moda Chiara Gadaleta, criadora do site Ser Sustentável com Estilo.


Chiara acredita que o ponto principal deste debate é apresentar soluções alternativas aos produtos de origem animal. A sua preferida são as tramas de tricô. “Temos trabalhos artesanais criativos e muito bonitos. Sinto que no São Paulo Fashion Week estão começando a prestar mais atenção nessas peças feitas à mão. Vi muito disso já nos desfiles do Fashion Rio e Fashion Business”, comentou ela. Há também as versões sintéticas que imitam couros
de diferentes origens e até técnicas de serigrafia criadas para substituir peixes ou crocodilos.


 
Certificados

Uma questão polêmica mesmo entre os defensores da moda livre de crueldade é a certificação de couros e peles. Marcas como a carioca Osklen, por meio do Instituto E, promovem o uso de materiais como o couro de tilápia ou de dourado como alternativas ecológicas ao produto bovino.

 

Seja um fashionista consciente

Procure saber de onde vieram as peças que vai comprar
Evite comprar produtos de origem animal
Use alternativas como as peças artesanais de tricô e crochê
Dê preferência às roupas produzidas no BrasilCobre suas marcas favoritas por opções ecológicas e incentive as que já aderiram à moda                           

 

Raio-X da indústria da pele

Materiais: couro (vacas, porcos, cangurus, bodes e ovelhas), pele (castores, chinchilas, coelhos, cães, gatos, lobos, minks, raposas, focas e ursos) e exótico (cobras, lagartos e crocodilos)
Estima-se que 85% da pele usada na indústria da moda venha de animais confinados
Entre os métodos usados para abater os animais estão sufocamento, eletrocussão, intoxicação por gás e envenenamento
É comum a pele ser retirada com os animais ainda vivos sem anestesia
Produtos tóxicos são usados na transformação da pele do animal em couro

Dados da ONG People For The Ethical Treatment of Animals (Peta)
 
         

Fonte: FERNANDA SCHIMIDT
Do UOL


PvhCAOS - Tratando bem dos bichinhos.....

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

INFO - Entenda o projeto de lei dos EUA que motiva protestos de sites


Dois projetos de lei, o Stop Online Piracy Act" (pare com a pirataria on-line, em tradução), conhecido como SOPA, que está no Congresso norte-americano, e "Protect IP Act" (ato para proteção do IP), chamado de PIPA, que está no Senado, provocaram manifestações e interrupções de serviços de sites importantes como Google, Wikipedia e Craigslist nesta quarta-feira (18).


A PIPA será votada pelo Senado norte-americano no dia 24 de janeiro.


Os projetos de lei querem combater a pirataria de conteúdo na internet e tem apoio de emissoras de TV, gravadoras de músicas, estúdios de cinema e editoras de livros, que se sentem lesadas com a livre distribuição de filmes e músicas na web, principalmente em servidores internacionais. Disney, Universal, Paramount, Sony e Warner Bros. apoiam os projetos.

A proposta é ter penas de até cinco anos de prisão para os condenados por compartilhar conteúdo pirata por dez ou mais vezes ao longo de seis meses. Os sites como Google e Facebook, por exemplo, também poderiam ser punidos pela acusação de "permitir ou facilitar" a pirataria. A pena seria o encerramento dos serviços e banimento de provedores de internet, sistemas de pagamento e anunciantes em nível internacional.

Pela lei, qualquer site pode ser fechado apenas por ter conexão com outro site suspeito de pirataria a pedido do governo dos EUA ou dos geradores de conteúdo. Ferramentas de busca como o Google, por exemplo, teriam que remover dos resultados das pesquisas endereços que compartilhem conteúdo pirata, correndo o risco de punição.

Já empresas de tecnologia como Google, Facebook, Wikipedia, Craigslist, WordPress, entre outros, são contra os projetos de lei, alegando que, caso aprovados, eles teriam menos liberdade da internet e dão poderes em excesso para quem quiser tirar os endereços do ar, prejudicando o funcionamento da web em todo o mundo.
 




Casa Branca é contra

Embora a Sopa e a Pipa tenha apoio de empresas de peso da indústria, a Casa Branca se manifestou conta os projetos, afirmando que eles podem acabar com a liberdade de expressão na internet. Sem o apoio, os projetos podem sofrer modificações ou até serem diluídos no Congresso e no Senado dos Estados Unidos.


Em mensagem publicada em seu blog, a Casa Branca afirmou que não pode apoiar "um projeto de lei que reduz a liberdade de expressão, amplia os riscos de segurança na computação ou solapa o dinamismo e inovação da internet global".




Fonte: G1, São Paulo





PvhCAOS - Poder para o Povo

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

C Q SE FOD@

.........Em vídeo, Rafinha ironiza suspensão após comentário sobre Wanessa e seu bebê


Rafinha Bastos segue ironizando sua suspensão do "CQC".
 

 
 
 
PvhCAOS - linchado por falar merda

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Grito Rock / Toque no Brasil

Mais uma cidade divulga sua programação

Grito Rock América do Sul 2010 em Fortaleza (CE)
Local: Hey Ho Rock Bar (Praia de Iracema)
Data: 27/2 (Aniversário de 7 anos da casa, que é Ponto Fora do Eixo local)
Produção: Rede Ceará de Música, sob organização de Rafael Lucena (Babuê Produções) e Felipe Gurgel (jornalista/O Garfo)

Escalação:
The Drunks, Baby! (Maracanaú/CE)
Dago Red (Fortaleza/CE)
Voyeur (Recife/PE)
Piron Heron (Fortaleza/CE)
Roadsider (Fortaleza/CE)

Grito Rock / Toque no Brasil

Chegando Fevereiro, Brasileiro é assim, BRASIL BUNDA E CARNAVAL.

Uma alternativa pra quem não gosta de Carnaval é o Grito Rock, movimento que acontece em todo Brasil

já saiu a programação de alguns municípios

Confira aqui a programação
quem mandou a primeira foi Anapolis - GO


Grito Rock América do Sul- Anápolis-GO

23/01
Prévia Grito Rock-Seletiva de Bandas Locais (Palácio da Cultura)

30/0
Aquecimento Grito Rock-Diego de Moraes e o Sindicatto (GO) + 1 Banda selecionada na Prévia (Teatro Municipal)

06/02 Grito Rock América do Sul
3 bandas selecionadas na Prévias +
Snorks (MT)
Ultimato (RO)
Johnny Suxx and Fucking Boys (GO)
Novos Vinis (GO)
Evening (GO)
Boddah Diciro (TO)
Porcas Borboletas (MG)
Macaco Bong (MT)

Intervenções com o Projeto Boca do Lixo nos intervalos de show 15:00 as 17:00 h
Hip Hop - Duelos de Freestyle nos intervalos de show a partir das 18:00 h
Campeonato de Skate Rei do Solo 2° Edição durante toda tarde.

sábado, 31 de outubro de 2009

Humor

O Circuito de Humor orgulhosamente apresenta, pela primeira vez em Rondônia:

MARCO LUQUE, o apresentador do CQC , no show "TAMOJUNTO" !

O formato Stand Up Comedy é a nova tendencia quando o assunto é humor.
Conhecido por ser um formato sem caracterização, o Stand Up é composto por um ator ou comediante, que obviamente fica de pé ao contar histórias ao publico com o apoio de microfone, pedestal e o inseparável banquinho.

Luque faz algumas participações com os grupos "A divina comédia", "Cia. Barbixas" ("Improvavel", espetáculo de improviso) e "Comédia ao vivo".

Está em turnê com seu Stand Up por todo Brasil desde março de 2009 e já levou aos teatros mais de 100.000 pessoas!!!

Você não pode ficar de fora desse grande espetáculo!

GARANTA seu ingresso antecipado através do site: www.circuitodehumor.com.br ou ligue: 069 9974 2814 / 069 8477 2393.

R$ 30,00 (meia)
R$ 60,00 (inteira)

Pontos de Vendas: Livraria Exclusiva (Shopping) e Lounge (Marechal c/ Calama) - A partir do dia 03.11.09

Segue anexo Flyer de divulgação, encaminhe para sua rede e #TAMOJUNTO galera!!!





PvhC.A.O.S. - a web rádio rock bem humorada!

Novas

Jornalista do Washington Post fica estarrecido com abandono da Madeira Mamoré em visita histórica - Confira vídeo


fonte: rondoniaovivo





PvhC.A.O.S. - pela barranca do madeira eu vou...!