Pvhcaos - AO VIVO

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Ambiental

Uma nova tecnologia para desmantelar o maior “lixão” de plástico do Pacífico


O projeto da fundação holandesa The Ocean Cleanup, financiado com 20 milhões de dólares, entra em sua fase operacional

FONTE: ELPAIS.COM


O sistema de limpeza da The Ocean Cleanup.

Durante sua instalação em San Francisco, parecia uma serpente marinha gigante. Mas é uma obra de engenharia realizada para reduzir pela metade, em cinco anos, o enorme lixão oceânico de plástico chamado Great Pacific Garbage Patch (O grande remendo de lixo do Pacífico, em tradução livre). O projeto, desenvolvido pela fundação holandesa The Ocean Cleanup durante os últimos cinco anos, já está em sua etapa de funcionamento. A obra consiste numa barreira formada por um tubo flutuante de 600 metros de comprimento, que criará uma espécie de U para segurar os resíduos graças ao empurrão do vento e das ondas. Um pac-man dos mares, segundo os próprios responsáveis pelo projeto. A ideia é que o plástico seja recolhido com barcos e levado à costa para ser reciclado. Mas parte da comunidade científica levanta dúvidas sobre a eficácia da operação, que custou mais de 20 milhões de dólares (83,2 milhões de reais) e os possíveis riscos para a fauna marinha. Os testes, que começaram neste sábado antes do início da operação, serão fundamentais para averiguar essas possibilidades.

Tudo começou em 2013 por iniciativa de Boyan Slat, um holandês que tinha 18 anos na época. O jovem ficou impressionado com a quantidade de resíduos que encontrava quando ia mergulhar e decidiu arregaçar as mangas para buscar soluções, como informa o site da The Ocean Cleanup. Slat queria criar um método viável de concentração e recolhimento do lixo marítimo, e fundou a organização para desenvolver novas tecnologias. Pouco mais de um ano depois, cerca de 100 cientistas voluntários haviam se somado ao projeto. E a organização arrecadou quase 2,2 milhões de dólares (9,15 milhões de reais) com uma campanha de crowfunding.
Os pesquisadores que aderiram à iniciativa realizaram diversos estudos da área afetada pelo lixão de plástico. Poucos meses atrás, os principais resultados de suas observações saíram na Scientific Reports. O Great Pacific Garbage Patch abrange uma área de 1,6 milhão de quilômetros quadrados, segundo os cálculos da fundação. Ali já se acumulam 1,8 bilhão de resíduos de plástico, ou 80.000 toneladas. “Uma porcentagem significativa dos plásticos acaba retida em redemoinhos criados pelas correntes”, explica a The Ocean Cleanup. “Uma vez preso ali, o plástico se desfaz e se transforma numa armadilha para a fauna marinha, enganada pela aparência de comida.”
Uma nova tecnologia para desmantelar o maior “lixão” de plástico do Pacífico
Para a organização, tentar coletar todo esse lixo com embarcações e redes seria caro demais e geraria emissões prejudiciais ao meio ambiente, além de danos à fauna marinha. A The Ocean Cleanup diz que é mais viável um método “passivo” de concentração dos resíduos, que se move no mesmo ritmo que as correntes. Daí a ideia de utilizar uma barreira flutuante, chamada System 001: um tubo com uma cortina de três metros de profundidade que captura o plástico e, ao mesmo tempo, deixa livre a passagem de peixes debaixo dela.
A fundação iniciou a fase operacional do projeto. O tubo foi instalado com um barco do porto de San Francisco rumo a uma zona intermediária em relação ao Great Pacific Garbage Path, situado a 240 milhas náuticas da costa. Um período de testes de duas semanas vai averiguar a eficácia do sistema. Se tudo sair como o previsto, a obra de engenharia será transportada diretamente à zona do lixão.

As dúvidas dos cientistas

Ainda restam dúvidas sobre a viabilidade da tecnologia. Alguns oceanógrafos expressaram sua preocupação ante a possibilidade de que o sistema possa causar danos aos animais marinhos. “Na parte superficial do mar, há organismos de todo tipo”, afirma Jesús Gago, do Instituto Espanhol de Oceanografia. “O esquema apresentado parece que vai arrastando tudo. Pode existir esse risco [danos à fauna marinha]. Com os testes, virá a prova de fogo.”
Outra crítica é sobre a viabilidade econômica dessa estrutura tecnológica. “A proposta de Boyan tem muito mérito. É uma pessoa com iniciativa, e o que fez é impressionante. Mas a mensagem de que é preciso investir milhões para retirar plásticos do meio do oceano me deixa mais cético”, diz Gago. Em sua opinião, não se deve esquecer da importância da prevenção para evitar o impacto da poluição de plástico. Quantias tão grandes de dinheiro poderiam ser usadas “para evitar que o plástico chegue ao oceano, em vez de ir pescá-lo em lugares remotos”, considera.
Uma nova tecnologia para desmantelar o maior “lixão” de plástico do Pacífico
A fundação explica que os testes servirão para esclarecer os aspectos críticos do projeto, já que os protótipos e os experimentos prévios não puderam tirar todas as dúvidas. Por exemplo, será avaliada a resposta do sistema aos movimentos provocados pelo vento e as correntes, além da capacidade de concentrar e reter o plástico capturado e da resistência a elementos disruptivos do oceano, como as ondas e a corrosão provocados pelo sal. A fundação também informa que diversos organismos, como a Universidade de Miami e a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, dos EUA, ofereceram assessoria para garantir que a barreira flutuante não gere impactos negativos aos animais marinhos.
Os testes do sistema já começaram, segundo a The Ocean Cleanup. O trajeto pode ser monitorado em tempo real no site da fundação, graças a um sistema de localização por GPS instalado no tubo. O Great Pacific Garbage Path fica cerca de 1.000 milhas mais longe. Os engenheiros da fundação estimam que o sistema de coleta de lixo levará duas ou três semanas para alcançar o lixão após o período de testes. As etapas seguintes do projeto preveem que, “de poucos em poucos meses”, um barco se aproximará do lixão para recolher os resíduos concentrados. A organização também estuda formas para reciclar todo o plástico recuperado e tornar economicamente sustentável o processo de limpeza das águas com a venda de produtos feitos a partir desse material. Gago acredita que essa missão terá suas dificuldades. “São materiais afetados pela exposição solar e a água do mar. Não tenho certeza se esse material pode ser usado numa usina de reciclagem de maneira simples”, afirma. A fundação pretende desenvolver até 60 sistemas parecidos para estender as operações de limpeza a outros lixões de plástico oceânicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Apoie o underground

Papo Reto

Rap Pela Democracia #votonulojaera #democraciafajutacuidado #pvhcaos